Diretrizes para publicação de notícias de pesquisa no Portal da UFLA e Portal da Ciência

A Comunicação da UFLA, por meio do projeto Núcleo de Divulgação Científica e da Coordenadoria de Divulgação Científica, assumiu o forte compromisso de compartilhar continuamente com a sociedade as pesquisas científicas produzidas na Instituição, bem como outros conteúdos de conhecimento que possam contribuir com a democratização do saber.

Sendo pequeno o número de profissionais na equipe de Comunicação da UFLA; sendo esse órgão envolvido também com todas as outras demandas de comunicação institucional, e considerando que as reportagens de pesquisa exigem um trabalho minucioso de apuração, redação e revisões, não é possível pautar todas as pesquisas em desenvolvimento na UFLA para que figurem no Portal da Ciência e no Portal UFLA. Sendo assim, a seleção de pautas seguirá critérios jornalísticos. Há também periodicidades definidas de publicação.

Todos os estudantes e professores interessados em popularizar o conhecimento e compartilhar suas pesquisas, podem apresentar sugestão e pauta à Comunicação pelo Suporte. As propostas serão analisadas com base nas seguintes premissas:

  • Deve haver tempo hábil para produção dos conteúdos: mínimo de 20 dias corridos antes da data pretendida de publicação. A possibilidade de publicações em prazo inferior a esse será avaliada pela Comunicação.

  • Algumas pautas (pesquisas) podem ser contempladas para publicação no Portal, produção de vídeo para o Youtube, produção de vídeo para Instagram e produção de spot para o quadro Rádio Ciência (veiculação na Rádio Universitária). Outras pautas, a critério das avaliações jornalísticas, poderão ter apenas parte desses produtos, ou somente reportagem no Portal. Outras podem, ainda, ser reservadas para publicação na revista de jornalismo científico Ciência em Prosa.

  • As matérias especiais de pesquisa e com conteúdos completos serão publicadas uma vez por semana.

  • É possível a publicação de notícias sobre pesquisa não só quando finalizadas. Em algumas situações, a pesquisa pode ser noticiada quando é iniciada e também durante seu desenvolvimento.

  • A ordem de publicação das diversas matérias em produção será definida pela Comunicação, considerando tempo decorrido da sugestão de pauta, vínculo do estudo com datas comemorativas e vínculo do estudo com acontecimentos factuais que exijam a publicação em determinado período.

  • O pesquisador que se dispõe a divulgar seus projetos também deve estar disponível para responder dúvidas do público que surgirem após a divulgação, assim como para atendimento à imprensa, caso haja interesse de veículos externos em repercutir a notícia.

  • Os textos são publicados, necessariamente, em linguagem jornalística e seguindo definições do Manual de Redação da Comunicação. O pesquisador deve conferir a exatidão das informações no texto final da matéria e dialogar com o jornalista caso haja necessidade de alterações, de forma a se preservar a linguagem e o formato essenciais ao entendimento do público não especializado.

Sugestões para aperfeiçoamentos neste Portal podem ser encaminhadas para comunicacao@ufla.br.

A floresta Amazônica, considerada a maior área tropical do mundo, sempre está em destaque na mídia, seja por sua riqueza em biodiversidade, ou pelas trágicas ações relacionadas ao desmatamento territorial. A UFLA, em parceria com outras Instituições tem fomentado ações que a colocam em destaque. Por isso, essa semana, será apresentado uma série com três pesquisas que buscam alternativas e soluções para recuperação e preservação ambiental.

A Universidade Federal de Lavras (UFLA) é uma das instituições que integra o Programa Nacional de Cooperação Acadêmica (Procad), por meio do seu setor de Ecologia e Conservação, realizando trabalhos em parceria com as universidades federais do Acre (Ufac) e do Pará (UFPA). 

Os projetos conjuntos de ensino e pesquisa em diversas universidades visam melhorias da qualidade dos programas de pós-graduação do Norte e Nordeste do País. O consórcio entre UFLA, Ufac e UFPA foi contemplado com recursos financeiros destinados ao desenvolvimento de trabalhos sobre o efeito da mudança do uso do solo e a cobertura florestal na Amazônia.Infográfico Procad 1

Com nota 5 (conceito de excelência) na avaliação da Capes, o curso de Pós-Graduação em Ecologia Aplicada da UFLA tem norteado as atividades. “Essa troca científico-acadêmica gera novas linhas de pesquisas, o que, de certa forma, contribui para o equilíbrio regional da pós-graduação brasileira”, explicou a professora do Departamento de Biologia (DBI/UFLA) Carla Ribas. 

Uma das vertentes do Procad/Amazônia é o fortalecimento de recursos humanos de alto nível. Carla explica que “proporcionar a mobilidade de professores e estudantes vai agregar qualidade à formação e crescimento profissional de cada um”.

Assim, em agosto de 2019, um grupo de professores e estudantes dos programas de pós-graduação das três instituições iniciou as atividades, estabelecendo os pontos de coleta ao longo da estrada que liga o município de Assis Brasil ao Rio Iaco. “Ao acessarmos a Reserva Extrativista Chico Mendes, percebemos uma expressiva variação na quantidade de cobertura florestal; ao passo que a área externa é dominada por pastagens”, explica a professora Carla. Foram estabelecidos oito locais que possuem diferentes níveis de cobertura florestal, para coleta de diversos grupos de organismos, pelos quais será possível avaliar a biodiversidade terrestre e aquática e as suas funções ecossistêmicas frente à redução das áreas florestais. 

Espera-se que, até 2023, sejam realizados diversos intercâmbios entre os estudantes e docentes dos três programas de pós-graduação envolvidos no projeto, com desenvolvimento de oficinas para análises de dados e intensificação da escrita científica.

Ao final do projeto, também será realizado um seminário científico para a apresentação e discussão dos estudos executados, bem como atividades de divulgação e popularização da ciência junto aos moradores da comunidade onde foi desenvolvido o estudo na Resex Chico Mendes. “A intenção é proporcionar um retorno social aos moradores, uma troca de conhecimentos do popular com o acadêmico”, comenta Carla.

Para o professor da Ufac Fernando Augusto Schmidt, coordenador do projeto, a colaboração dos colegas das demais instituições chegou num momento muito oportuno. “Passamos, nos últimos quatro anos, por várias ações de reestruturação na pós-graduação. Hoje contamos com um quadro de docentes renovado e essa interação agregará muita qualidade na formação dos nossos estudantes e parcerias produtivas aos nossos professores”, concluiu.

Esse trabalho conjunto entre as universidades, além dos inúmeros benefícios aos programas de pós-graduação das instituições envolvidas, irá estimular a construção e implementação de um curso de doutorado em Ecologia na Ufac, além da contribuição ao projeto de gestão da Resex Chico Mendes em relação ao monitoramento da biodiversidade econservação da área.

Texto: Caroline Batista - Jornalista, bolsista Comunicação/UFLA

Edição do Vídeo: Eder Spuri - Comunicação / UFLA 

A revista Ciência e Agrotecnologia publicada pela Editora da Universidade Federal de Lavras (UFLA) apresentou aumento considerável nos índices de Fator de Impacto apontado pelos indexadores Web of Science por meio do Journal Citation Reports (JCR) e também da Scopus por meio do CiteScore. Tais índices refletem o número de citações de artigos científicos que estão inseridos em seus bancos de dados. Com esse avanço, o periódico confirma seu destaque não só no âmbito nacional, mas também internacional.

O editor-chefe da revista, professor do Departamento de Biologia (DBI) Renato Paiva, informa que esse ano a revista obteve o seu maior índice de fator de impacto JCR (1,144), “a Ciência e Agrotecnologia está em um grupo seleto de periódicos científicos, pois das mais de 12 mil revistas que estão no acervo da Web of Science, apenas 122 são brasileiras e ela faz parte desse grupo”. A evolução no fator de impacto CiteScore da Scopus apontou crescimento  de 50% em relação ao índice do ano anterior passando de 1,4 para 2,1, mostrando a internacionalização que a revista vem alcançando dentro da pesquisa global.

Com o aumento nesses índices, a revista da UFLA ocupa posição de destaque entre as revistas brasileiras na área de Ciências Agrárias. “O desempenho da Ciência e Agrotecnologia é resultado do esforço e dedicação da equipe editorial e também do investimento realizado pela Instituição na área de publicações científicas”, explicou o professor.

Entenda o Fator de Impacto

O Fator de Impacto é um índice calculado por indexadores que utiliza por base estatística o número de artigos publicados por uma revista científica e o número de citações feitas a esses artigos, sendo um recurso que permite avaliar e comparar publicações utilizando dados extraídos de periódicos científicos.

Revistas que possuem fator de impacto passam a ter, automaticamente, maior reconhecimento internacional, entrando na classificação que identifica as mais expressivas entre as diversas áreas do conhecimento científico.

Ciência e Agrotecnologia – há mais de quatro décadas divulgando conhecimento

Criada em 1977 com o nome de Ciência & Prática a revista passou a ser denominada Ciência e Agrotecnologia em 1996 após a criação da Universidade. Ela publica em suas edições, artigos científicos de ciências agrárias e áreas afins, os quais são elaborados e submetidos por pesquisadores nacionais e internacionais, com amplitude mundial. Todas as publicações são feitas em inglês.

A Ciência e Agrotecnologia trabalha com política editorial que preza pela transparência e impessoalidade no processo de avaliação dos artigos, onde os  revisores desconhecem as fontes do trabalho submetido. A revista é de acesso aberto sendo que todos os artigos publicados estão disponíveis para consulta online.

Desde o ano passado passou a trabalhar no formato de publicação contínua e obteve em sua última avaliação o conceito A3 na classificação Qualis CAPES, que avalia os programas de pós-graduação. 

web1 5

Texto: Caroline Batista - Bolsista Comunicação / UFLA

 

Com o objetivo de reduzir o uso de agroquímicos na produção cafeeira, pesquisadores da Universidade Federal de Lavras (UFLA) desenvolveram um sistema de aviso de doenças que utiliza modelagem matemática para apoiar a tomada de decisão dos técnicos e produtores.  O Sistema de Aviso de Doenças (SAD) é programado para identificar a possível ocorrência, em um futuro próximo, da ferrugem e da mancha de phoma. A tecnologia funciona com base em variáveis ambientais, como chuva e temperatura, e possui um nível de controle para prever se pulverizações deverão ocorrer.  

A última edição da Revista Ciência em Prosa, da Diretoria de Comunicação da Universidade Federal de Lavras (Dcom/UFLA), apresentou como a nanotecnologia está ligada à manipulação de elementos já conhecidos da tradicional tabela periódica – como o carbono, o silício, o fósforo, a prata e o ouro – em uma dimensão minúscula, cerca de 1 bilhão de vezes menor que o metro. Nessa escala de tamanho, chamada de escala nanométrica, os átomos se comportam de maneira diferente, podendo apresentar novas propriedades: podem se tornar mais resistentes ou mais maleáveis, passar a conduzir calor e eletricidade, ficar mais reativos, mudar de cor e outros diversos fenômenos.

 Parece até algo futurístico e distante, mas a nanotecnologia já deixou de ser restrita aos laboratórios para ganhar aplicações práticas em nosso dia a dia. Hoje, tem sido bastante usada em diversos setores da indústria e da tecnologia, além de estudos da física, química, biologia e medicina.



Plataforma de busca disponibilizada pela PRP para localizar grupos de pesquisa, pesquisadores, projetos e linhas de pesquisa da UFLA